Esporte
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Itamar Schulle não é mais o técnico do Santa Cruz Futebol Clube, de Recife. Ele fechou contrato com a equipe no final do ano passado e após 10 meses de boa campanha, se despede por motivos particulares, mas garante que aguarda uma nova proposta.

Mesmo com a rápida passagem no comando do time, bons resultados foram percebidos. Ao todo foram 28 jogos, 15 vitórias, nove empates e apenas quatro derrotas. A boa atuação colocou o tricolor na vice-liderança no Campeonato Pernambucano.

Segundo Schulle, a decisão de sair do time se deu porque ele queria ficar mais perto da família. “Eu estava em conversação com uma equipe de Série B, houve uma proposta e aí alinhado a isso, como o clube seria uma equipe mais próxima da minha casa, achei por bem que era o momento de sair, só que nesse processo acabou não evoluindo essa situação da Série B, por problemas familiares e porque o clube não quis esperar. Eu acabei ficando com o ônus da decisão que tomei, mas isso são coisas do futebol. Normal, acontece”, explica.

Ele conta que com relação à quebra de contrato tudo ficou acertado. “Eu tinha um contrato a cumprir, esse contrato tinha um termo de multa rescisória para os dois lados, tanto para o Santa Cruz quanto para mim. Acertei todas as coisas referentes a isso, pagando essa multa. Agora estou me organizando para ir para casa, ficar uns dias com a minha família e aguardar que Deus abra uma porta para que eu possa voltar ao mercado de trabalho”, comenta.

Segundo ele, até o momento não há clube em vista, mas ele diz que confia no trabalho que desenvolveu. “Eu cheguei aqui faz 10 meses e foi uma campanha muito boa, porque nós estamos na liderança da Série C e o aproveitamento foi em torno de 65% ou mais. O clube é muito bom de trabalhar, uma torcida imensa. Agora só tenho a agradecer e um dia quem sabe a gente retorne”, declara.

Questionado sobre as dificuldades enfrentadas pelo futebol em razão da pandemia, Itamar diz que foi um ano atípico, ruim para todos os segmentos especialmente no futebol. “Acho que para o futebol continua sendo ruim. Alguns segmentos já puderam voltar, mas o futebol voltou sem a essência que é o torcedor. Os clubes perderam investimentos, alguns reduziram os salários de seus funcionários, então foi ruim em vários sentidos, principalmente para um time como o Santa Cruz, que qualquer jogo dá 50 mil pessoas. A diretoria perdeu essa fonte de renda, que é muito grande, assim como foi para outros clubes”, destaca.

Início da carreira no Alto Vale

Itamar Schulle é natural de Ituporanga e possui uma longa carreira no futebol. Como jogador profissional, o maior destaque da carreira foi o título catarinense através do Brusque, em 1992. O início de sua carreira de treinador no Alto Vale foi em 2002.