Alto Vale
Foto: Rafaela Correa

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Durante visita a região do Alto Vale, o secretário adjunto de Desenvolvimento Social do Estado de Santa Catarina, Daniel Netto Cândido, falou sobre ações no combate à vulnerabilidade Social na pandemia. Prestes a completar um ano no comando da pasta, ele afirma que é necessário estar perto das pessoas para entender a realidade das cidades e conseguir criar ações efetivas para solucionar os problemas de cada uma delas.

Daniel conta que ao assumir a Secretaria percebeu que a pandemia havia evidenciado ainda mais os problemas sociais e que eram necessárias medidas urgentes para amenizar as carências de parte da população.

“O governador, Carlos Moisés, pediu para que a gente pudesse fortalecer a política de Assistência Social em Santa Catarina e em meio a pandemia encontramos dificuldades com as famílias que já estavam em situação de vulnerabilidade, porque a pandemia evidenciou essa vulnerabilidade ainda mais. Então criamos algumas ações para amenizar o impacto econômico dessas famílias, através do SC Mais Renda, um programa que distribuía recursos para aquelas pessoas que não tinham sido atendidas em nenhum momento na pandemia”, lembra. Com a ajuda de outras pastas foram identificadas aproximadamente 13 mil famílias que não haviam recebido nenhum tipo de benefício durante a pandemia e que se enquadravam no programa.

Para o secretário, o fato de querer amenizar a vulnerabilidade ajudou bastante porque além de novos programas, os repasses de valores que já eram feitos teriam sido triplicados para custear atendimentos, aluguel social e cestas básicas, por exemplo.

Outro programa lançado durante a gestão foi o Gente Catarina, com a finalidade de melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos municípios catarinenses. “Pegamos agora cinco municípios da Serra e eles estão recebendo atenção especial para melhorar o índice, seja na Educação, na Saúde, Desenvolvimento Econômico, Social, todas as áreas do governo. Esse programa será ampliado agora para os 61 municípios com IDH menor que 0,7”, destaca.

Ainda no que se refere a novos programas, Daniel conta que foi lançado o SC Mais Moradia, que se trata de um programa habitacional voltado a pessoas em situação de vulnerabilidade nos 61 municípios de baixo IDH. “Há 10 anos Santa Catarina não tinha um programa habitacional. Fomos para a Secretaria com a missão de construir um plano habitacional, entregamos em novembro do ano passado, para 61 municípios de IDH baixo, R$1.050,000 para cada um, para que construam 15 casas nas suas cidades. Nossa intenção é ampliar o programa, atender o déficit habitacional de Santa Catarina e poder amenizar a situação que essas famílias vivem, sem ter um teto para morar, sem uma casa”, pontuou.

Questionado sobre a visita ao Alto Vale, ele afirma que o objetivo é estar mais perto das pessoas e conhecer as demandas de cada um dos municípios. “Essa é a segunda vez que visitamos o Alto Vale. Vamos ficar uma semana para visitar 12 municípios para poder entender as demandas, estar próximo dos municípios porque quando fui prefeito de São João Batista, durante dois mandatos, queria que Estado estivesse perto de mim, então quero entender a realidade para poder ser o agente transformador dessa política pública”, enfatiza.

Daniel também destaca a importância de difundir as políticas de Assistência Social, visto que muitos não entendem a complexidade e a importância para mudar a vida das pessoas.

“A gente percebe que as pessoas ainda conhecem pouco das políticas de Assistência Social do país. Muitos não entendem o que é isso e acham que Assistência Social é dar cesta básica e não é, é muito mais. A Assistência Social entra na vida da pessoa para mudar, preservar os direitos, proteger as famílias. É uma área sensível e muito importante. Eu entendo que municípios e Estado podem fazer ainda mais pela Assistência Social e essa é minha luta”, finaliza.