Alto Vale
Foto de arquivo tirada antes da pandemia/ Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Mesmo com a pandemia que impede encontros presenciais, o Grupo de Escoteiros Mafeking, de Rio do Sul, está comemorando a Semana Escoteira no Brasil. A celebração é através de uma programação que segue até o dia 25 com diversas atividades online que estão sendo realizadas pelos integrantes. Nesta sexta-feira (23) também é comemorado o Dia do Escoteiro.

O coordenador da Semana Escoteira, Elói Marconi, comenta que Rio do Sul já teve vários grupos de escoteiros e o Mafeking que é o único atualmente. A entidade completou 40 anos e tem como objetivo trabalhar principalmente com crianças e jovens com a ajuda de adultos voluntários para a formação de cidadãos. “Geralmente a criança já pode iniciar no escotismo com seis ou sete anos, dependendo da escolaridade, e permanecer até ser adulta. Em todas as fases o objetivo é a formação de cidadãos. Tentamos incutir nas crianças e jovens através de um nível de aplicação de atividades que eles aprendam de uma forma muito mais lúdica, a desenvolver a moral e o seu caráter”, destaca.

Eduardo Swarowsky conta que ingressou no grupo em 1992 quando tinha apenas 10 anos de idade. “Foi uma fase muito boa da minha vida, pois foi através do movimento que consegui desenvolver muitas das habilidades que tenho hoje, como a comunicação com as pessoas e valores como caráter. Também fiz muitos amigos”, disse.

Ele participou do movimento até 2001 passando pelos escoteiros, ramo sênior e depois ramo pioneiro. Em 2019 ele decidiu retornar ao movimento, desta vez ao lado da filha Luíza Swarowsky que hoje também é escoteira. “Ela sempre via as minhas fotos e se interessou. Quando ela entrou eu retornei também como assistente de chefe e como diretor de Patrimônio. É uma coisa que sempre ficou dentro de mim e como diz o lema, uma vez escoteiro sempre escoteiro. Hoje vejo que é hora de retribuir todo o aprendizado e repassar para outras pessoas”.

Eduardo comenta ainda que a programação online devido a pandemia é um momento desafiador, mas que todos esperam voltar em breve as atividades presenciais de forma gradativa. “O escotismo é praticado ao ar livre, em contato com a natureza, então foi muito desafiador esse novo formato, mas acredito que estamos conseguindo aplicar boa parte do método de forma online. Lógico que não tem aquele calor humano e contato com as pessoas, mas é uma forma que também está sendo muito produtiva”, conclui.

Atividades online

As atividades da Semana Escoteira foram divididas por faixas etárias e podem ser realizadas de forma totalmente online. Para os Lobinhos, por exemplo, grupo de crianças de até 10 anos, a sugestão é fazer uma foto com a roupa de escoteiro e escrever um depoimento do porque gosta de ser escoteiro, além de recorte e colagens que tratem da profissão que a criança pretende seguir.

Já os escoteiros receberam como proposta a gravação de um vídeo fazendo a sua promessa escoteira em Libras, Morse ou semáfora. Além de renovar a sua promessa, a ideia é mostrar à comunidade as muitas formas de comunicação que os escoteiros sabem usar. Outra atividade é a gravação de um vídeo sem cortes, fazendo um nó de livre escolha, explicando como se faz e qual a sua utilidade. O vídeo pode conter no máximo um minuto.

Para os seniores e guias, uma das sugestões é mostrar as habilidades culinárias em casa elaborando os pratos de uma refeição completa, seja almoço ou jantar, composto por entrada, prato principal e sobremesa. Outra sugestão é montar um jogo da família, tipo “escape”, em que é necessário resolver enigmas e responder perguntas para avançar passo-a-passo e, finalmente, chegar ao final. Isso claro, utilizando sinais de pistas, perguntas sobre Escotismo, semáfora, código Morse e outros.