Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Um caso registrado em José Boiteux chocou todo o Alto Vale. Criminosos depredaram um túmulo do Cemitério Municipal e levaram a cabeça do cadáver enterrado há 10 meses, o que trouxe revolta e ainda mais tristeza para a família de Júlio César Lunelli, de 52 anos, que perdeu a luta contra um câncer.  Agora a Polícia Civil tenta identificar os autores.

O empresário Renato Lunelli é irmão de Júlio César e conta que o crime foi percebido pela madrinha dele que foi visitar o túmulo. “Minha madrinha foi visitar o túmulo do marido dela e do meu irmão e chegando lá se deparou com tudo quebrado, a lápide, o caixão e corpo sem a cabeça. A foto dele também estava quebrada, a parte de cima do túmulo, tudo jogado no chão. Uma cena de terror”, relata.

Ele afirma que o irmão era uma pessoa muito querida e que não tinha inimigos, por isso a família não tem nenhuma suspeita de quem possa ter cometido o crime. Um Boletim de Ocorrência foi registrado e o local deve passar por uma perícia na tarde desta segunda-feira (3).

“Um crime bárbaro, uma coisa sem explicação e estamos indignados para saber o porquê. Ele era uma pessoa alegre que todo mundo gostava. Vingança, bruxaria, vandalismo? Estamos nessa de tentar entender. O sentimento é de tortura para tentar entender o motivo”.

Atualmente o Cemitério Municipal de José Boiteux não conta com câmeras de segurança, mas a Polícia deve solicitar as imagens de estabelecimentos próximos para tentar identificar algum suspeito. “Por enquanto a Polícia ainda não tem pistas, mas eles farão a investigação e esperamos que os responsáveis sem identificados e punidos”, comenta.

Lunelli comenta ainda que a família deseja recuperar o crânio e enterrá-lo novamente com o restante do corpo.