Alto Vale
Foto: Assessoria de imprensa - O prefeito Nelson Virtuoso também visitou a obra para acompanhar o andamento

A obra de pavimentação asfáltica da rodovia intermunicipal Lauro Pamplona, que liga os municípios de Rio do Sul e Presidente Getúlio, poderá ganhar um importante incremento. Iniciada no ano passado por meio de dois convênios distintos junto ao governo do Estado, um assinado com Rio do Sul e outro com Presidente Getúlio, os projetos iniciais não contemplavam um trecho que compreende a Serra do Tucano, ponto mais alto da via.

O trecho é bastante sinuoso, com curvas acentuadas e pista estreita, o que poderá causar perigo devido ao aumento do fluxo de veículos e caminhões que usam essa rota para reduzir as distâncias de deslocamento para a região do Vale Norte.

Pensando nisso, o prefeito de Presidente Getúlio, Nelson Virtuoso (PMDB), decidiu realizar as melhorias com recursos próprios do município. Em busca de orçamentos para composição do projeto de engenharia para a Serra do Tucano, valores de até R$ 600 mil foram apresentados.

“Não tínhamos dinheiro disponível. O Estado não tem recursos para fazer. Outra empresa me pediu R$ 350 mil. Eu, vendo que é impossível pagar tanto para um projeto desse, solicitei aos engenheiros da Amavi, da Prefeitura e da empresa, que já são pagos, para montar o projeto”, explica.

O projeto ambiental, que consiste principalmente na supressão de árvores e corte de barranco, foi viabilizado e aprovado pela Sadema, órgão municipal de defesa e proteção ao meio ambiente de Presidente Getúlio.

Os recursos que seriam investidos na concepção do projeto de engenharia serão direcionados para a licitação de horas-máquina, para que as obras possam ser iniciadas. Segundo Virtuoso, o processo licitatório será lançado em janeiro de 2018, considerando que para esse ano o município não possui mais orçamento para este fim. “Vamos licitar a mão de obra e abrir a Serra, fazer o alargamento e a macadamização. A pavimentação será outra etapa”, explica o prefeito.

Nelson Virtuoso explica que o município de Rio do Sul também deverá ser parceiro da iniciativa, por meio da participação da Prefeitura e também de empresários beneficiados pela obra. “Já conversei com a família Pamplona e com o prefeito de Rio do Sul. Eles estão planejando fazer o projeto deles pelo município”, explica.

De acordo com o prefeito de Rio do Sul, José Thomé (PSDB), a topografia do terreno foi realizada por uma empresa especializada, contratada pelo município de Rio do Sul por meio de registro de preço, e está em processo de digitalização. “Minha proposta é que a Amavi execute o projeto de engenharia. Se isso não for possível, faremos com os próprios técnicos da Prefeitura”, explica Thomé.

O prefeito complementa que o Assessor de Infraestrutura da Prefeitura, Tarcísio Testoni, deverá acompanhar todo o processo. “O Testoni defende uma intervenção em um trecho para retirada de rochas, o que segundo ele seria bem tranquilo e daria mais segurança à obra”, conta.

O trecho do município de Rio do Sul compreende a 1,2 mil metros. “É um trecho curto, não tão acentuado e muito menos problemático que o do de Presidente Getúlio”, explica Thomé.

Histórico da obra

O convênio entre Rio do Sul e o governo do Estado foi assinado em 2 de junho de 2016. O valor disponibilizado foi cerca de R$ 7,6 milhões. Já o convênio de Presidente Getúlio, assinado alguns meses antes, contou com investimento de aproximadamente R$ 7,2 milhões.

Os recursos estão sendo investidos na pavimentação, drenagem pluvial, pavimentação dos passeios no perímetro urbano e sinalização viária da interligação.

A via serve como alternativa à BR-470, para moradores, agricultores, pecuaristas e outros empresários da região.

Rafael Beling