Cidade, Saúde
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt

Em sessão extraordinária na tarde desta segunda-feira (8), a Câmara de Vereadores de Rio do Sul aprovou por unanimidade o projeto de lei enviado pelo Executivo que autoriza que profissionais da saúde que atuam na Atenção Básica do município passem a trabalhar no Hospital Samária e Hospital Regional Alto Vale possibilitando assim a abertura de mais 10 leitos de UTI para tratar pacientes com covid.   No entanto, após a aprovação o Sindicato dos Servidores Públicos de Rio do Sul afirmou que em nenhum momento a categoria foi procurada para discutir a proposta que afeta diretamente os profissionais e que muitos estariam descontentes com a situação.

O PL autoriza a cessão de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem enquanto perdurar o Estado de Calamidade Pública em Santa Catarina em virtude do agravamento da pandemia.  O documento diz ainda que a quantidade dos profissionais disponibilizados, a carga horária e atribuições serão regulamentadas por um decreto.

A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Rio do Sul, Arlete Souza, afirma que a medida pegou os profissionais de surpresa já que em nenhum momento eles foram chamados para discutir o assunto, nem receberam qualquer informação de como funcionaria essa cessão.  “Alguns servidores entraram em contato com o Sindicato e pedimos inclusive que os vereadores ainda não votassem o projeto. Não foi discutido com os servidores nem com o sindicato. Foi uma decisão do governo com as entidades e achamos que isso primeiro deveria ser discutido com os maiores interessados. Não sabemos que tipo de critério eles vão usar”, comentou.

Ela declarou também que os servidores sabem que este é um momento de excepcionalidade, mas ressalta que os profissionais já atuam na linha de frente. “Nossos servidores da Saúde sabem que é um momento excepcional, um momento de humanidade, mas eles também já estão cansados, estão dando o seu melhor desde o início da pandemia, então temos um olhar muito preocupado em relação a isso, pois não sabemos sequer se os profissionais serão convidados ou convocados”, completou.

A presidente diz que diante da aprovação sem discussão, vai procurar o Executivo para entender melhor qual é a proposta da Prefeitura e os critérios que serão utilizados, mas afirma que muitos profissionais já se mostraram contrários a trabalhar em hospitais. “Muitos nos falam que não optaram por isso porque não se sentiam preparados. Claro que temos alguns que estão dispostos e se sentem habilitados, mas para os demais como será essa formação que é tão complexa? Outra questão é em relação ao fechamento de alguns postos de saúde. Esses que serão uma espécie de polo poderão ter uma demanda muito grande, o que pode ocasionar o aglomero de pessoas, então se cobre um lado e não se cobre o outro, por isso acreditamos que a busca por profissionais não deveria ser do próprio município e sim dos que estão no mercado de trabalho”, conclui.

O que diz a prefeitura de Rio do Sul?

Em nota a Prefeitura de Rio do Sul declarou que é fundamental todo tipo de apoio aos hospitais neste momento de colapso na saúde pública local, que se estende em âmbito estadual e ressaltou que os funcionários não estarão em desvio de função e todas as normas trabalhistas ligadas ao cargo serão respeitadas. Disse ainda que os profissionais atuarão nas áreas a qual são habilitados.

“A prefeitura de Rio do Sul está trabalhando de maneira firme e coesa com a direção do Hospital Regional Alto Vale, com o Hospital Samária e a Federação dos Hospitais de SC com o objetivo de salvar vidas e resolver problemas relacionados à superlotação dos hospitais. A criação de 10 novos leitos para atendimento Covid-19 representa a união de forças destes envolvidos em prol da vida”, diz a nota.

Já em entrevista na reunião desta segunda-feira (8), o prefeito José Thomé chegou a afirmar que já houve consenso entre os profissionais e agradeceu os servidores. “Por entenderem que esse momento se faz necessário algo a mais além da Atenção Básica, da porta de entrada no atendimento a saúde para fazer o que é de urgência e emergência relacionado à Covid. Temos oito médicos, quatro enfermeiros e em torno de 10 técnicos de enfermagem que vão estar à disposição do Hospital Regional já a partir desta quinta-feira”, declarou.

Previsão de abertura é de 20 dias

A previsão é que a nova Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Regional de Rio do Sul, que  vai receber pacientes suspeitos e confirmados com COVID-19, deverá entrar em funcionamento dentro de 20 dias. A definição deu-se após a segunda reunião envolvendo os representantes da Federação dos Hospitais de Santa Cata, Fusavi, Prefeitura, Câmara de Vereadores, Ministério Público e Hospital Samária, que vai abrir 10 leitos clínicos para pacientes do Regional.

Já a nova UTI contará com 10 leitos, mas o seu funcionamento depende da Secretaria de Estado da Saúde disponibilizar respiradores, monitores, kits de intubação, além de medicamentos. “Já estamos em contato com a Secretaria de Estado da Saúde para que nos remeta os equipamentos, insumos e outros itens necessários para essa abertura dos leitos e acreditamos que em 15 a 20 dias possamos fazer essa abertura”, ressaltou o presidente da Fehoesc, Giovani Nascimento.