Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

A campanha Ame Eloá Helena mobilizou milhares de pessoas em todo o país e graças a solidariedade de tanta gente, a menina ibiramense diagnosticada com Atrofia Muscular Espinhal (AME), conseguiu arrecadar o valor que precisava para a compra de um medicamento milionário que poderia salvar sua vida. A aplicação do Zolgensma foi realizada no final de julho e três meses depois, a família comemora a melhora expressiva de Eloá, que segue surpreendendo a cada dia.

O pai da menina, Jhonata Caprali, comenta que os primeiros resultados positivos foram percebidos na mesma semana em que ela recebeu a aplicação e desde então o quadro só evoluiu. Ele diz que coisas que antes eram impensáveis hoje fazem parte da rotina de Eloá. “Antes ela não conseguia segurar os braços para cima, não se virava de um lado para o outro, não segurava a cabeça e hoje ela segura e fica até sentadinha”.

Ele ressalta que a respiração melhorou 100%, assim como a alimentação. “Ela tinha dificuldade para engolir o leite e hoje come de tudo, frutas, arroz, feijão, carne”, comemora.

“A melhora que ela teve foi muito grande e a gente está muito feliz e parece até um milagre. Queremos que ela ande e no futuro seja independente”, afirmou a mãe Érica Caprali.

Segundo a família, os médicos explicaram que a tendência é que a menina vá melhorando gradualmente. “Temos que continuar com fisioterapia, fonoaudióloga e fazer todo o acompanhamento médico que pagamos particular com o valor que arrecadamos na campanha. Ainda será uma luta muito grande, mas o sonho agora é ver ela andando e vamos trabalhar para isso ”, revela o pai.

Luta começou nos primeiros meses de vida

A Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença genética rara que pode causar a paralisia muscular impedindo que os bebês realizem funções básicas, como engolir ou manter a cabeça ereta. Em estágio avançado, ela pode afetar também a capacidade de respiração.

A história de luta da Eloá começou já nos primeiros meses de vida quando ela recebeu o diagnóstico de um médico de Ibirama onde a família reside. A confirmação foi feita por outros profissionais de fora da cidade e a menina foi encaminhada para tratamento porém a única esperança era que ela tivesse acesso ao Zolgensma, que é considerado o medicamento mais caro do mundo, chegando a custar R$ 12 milhões.

O chamado Dia Z aconteceu em 22 de julho após uma campanha que mobilizou milhares de pessoas em todo o Brasil e principalmente na região. Desde a aplicação a família vem comemorando a melhora de Eloá.