Política
Foto: Arquivo DAV

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

A agricultora Maria Luiza Kestring Liebsch, do MDB, concorre nestas eleições ao terceiro mandato como prefeita e fala em um legado de experiência para fazer a cidade se desenvolver economicamente e buscar a solução de problemas antigos como a recuperação da SC-425 que dá acesso ao município.

Ela comenta que a ideia inicial é que o atual prefeito Sergio Luiz Paisan fosse à reeleição, mas como isso não ocorreu ela colocou seu nome à disposição ao lado de Antonio Carlos Kestring como candidato a vice-prefeito. “O prefeito não quis a reeleição e como já fui prefeita e tenho vontade de fazer ainda mais acabei aceitando mais esse desafio. Acredito que tenho um legado de experiência para oferecer ao nosso povo”, conta.

Maria já esteve à frente do Executivo de Mirim doce de 2008 a 2016, ela diz que quer fazer ainda mais pelo município e acredita que o principal desafio será manter a qualidade dos serviços que já vinham sendo oferecidos e retomar o crescimento que ficou prejudicado pela pandemia. “O principal desafio é mesmo encarar o que vem pela frente e não sabemos o que é. Não temos certeza de como vai ficar o orçamento, se igual ou se vai haver uma retração, mas precisamos continuar oferecendo os serviços essenciais ao cidadão”, completa.

Ela diz que caso seja eleita vai trabalhar pela melhoria das estradas e continuar lutando para resolver um problema antigo que é a recuperação da SC-425 que dá acesso ao município. “Essa estrada é estadual e ao município cabe apenas continuar cobrando junto ao Governo do Estado, mas é o que faremos até que a questão seja resolvida. Hoje até já temos boas notícias de que pelo menos o orçamento para a recuperação já foi definido, cerca de R$ 9 milhões. Mas do jeito que está é muito complicado”, afirma

Outro desafio é garantir a geração de empregos para os jovens, já que segundo ela o município tem vagas para todos, mas não voltadas especialmente a esse público para que eles tenham interesse de ficar na cidade. “Hoje tem empregos e faltam pessoas qualificadas para ocupar essas vagas. Mas o que precisamos buscar é algo voltado à juventude que sai para estudar e acaba não voltando então temos que focar nisso”, diz.

Mesmo com problemas pontuais ela acredita que a economia do município vai bem e ressalta que o Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH, de Mirim Doce é muito bom. “Precisamos é cuidar bem da aplicação dos recursos, batalhar para que venham mais empresas que prezem pelo meio ambiente para garantir mais oportunidades e que possamos agregar mais valor econômico ao município”, finaliza.