Política
Foto: Helena Marquardt

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O comandante geral da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Dionei Tonet, vai deixar o cargo oficialmente no próximo dia 20 de dezembro e nos últimos dias a frente da PMSC cumpriu agenda no Alto Vale. Em Rio do Sul concedeu entrevista ao Diário do Alto Vale onde fez uma avaliação de sua gestão e falou sobre os planos para o futuro.

Ele comenta que a visita é também uma forma de prestar contas para a comunidade do Alto Vale do período de um ano e sete meses comandando a PMSC além de fazer uma homenagem ao policial Wigand Staroski, de Petrolândia, que completou 60 anos de idade e 41 trabalhando na Polícia Militar. “Utilizando a figura do Wigand Staroski quisemos fazer uma homenagem a todos os policiais catarinenses que trabalham na nossa corporação e dão o seu suor para ofertar segurança pública em nosso estado. Em Petrolândia temos a represa Perimbó, que hoje está povoada de peixes, arborizada e muito bem cuidada graças ao Wigand que levou a vida toda um barco grande pendurado numa viatura Fiat Pálio e por isso decidimos fazer a surpresa de entregar uma nova viatura para ele e foi um ato muito emocionante”, falou.

Ao falar sobre os números da série histórica de Santa Catarina, o comandante comenta que teve melhora nos índices em quase todos os crimes, exceto os casos de violência doméstica que seguem aumentando. “Temos números muito expressivos de redução de criminalidade, de letalidade policial
Tonet citou ainda conquistas importantes na melhoria da estrutura física da PM como, por exemplo, a entrega do quartel de Pouso Redondo, prevista para esta semana e outros projetos importantes. “Temos o de Ibirama, uma construção aguardada há mais de 10 anos, que existia o terreno e o Estado não construía e conseguimos o recurso, assinamos a ordem de serviço e hoje a obra está em ampla atividade e avançando. Temos a companhia que está sendo construída em Taió e que deve ser concluída no primeiro semestre. Ao todo, em Santa Catarina, temos 18 obras acontecendo ao mesmo tempo”, disse.

Ele diz que desde que assumiu o comando da PMSC teve como objetivo o olhar para dentro da corporação buscando melhorar as condições de trabalho, de carreira e técnica-operacionais para que os policiais se sentissem mais motivados. “Conseguimos bons avanços. Substituímos as nossas frotas por veículos SUVs em sua grande maioria, fizemos a alteração do tipo de armamento que utilizamos e fizemos a formação de 1.100 novos policiais militares, isso é uma renovação de 10% do efetivo. Fizemos curso de formação de oficiais, o que não acontecia desde 2016”, ressaltou.

Tonet destacou ainda o uso da tecnologia pela PMSC. “Hoje já utilizamos inteligência artificial e estamos num processo em ordens de instalação, onde todas as câmeras da rede Bem-te-vi estão sendo transformadas e substituídas por tecnologia 4k onde já existe a possibilidade do reconhecimento facial com servidor único que centraliza as informações e devolve as cidades que precisam no smartphone dos policiais. E em cada um desses locais onde já temos um circuito de dados teremos o sistema OCR que faz a identificação de placas.

Para Dionei Tonet, o principal desafio do novo comandante será manter o plano de inclusão funcionando. “Temos o plano de cinco anos e ele faz com que a cada ano sejam formados 500 novos policiais e entregues a sociedade. O grande desafio do Marcelo pontes será justamente pressionar as estruturas da Fazenda, principalmente, que é quem libera a contratação, para que esse plano continue para que ao final de 2023 tivéssemos isso organizado”.

Sobre o que vai fazer no futuro, o coronel disse que vai continuar fazendo parte da Comissão de Anistia do Governo Federal. “Tenho 34 anos de serviço na Polícia Militar e agora sigo trabalhando em Brasília, porque sou conselheiro da Comissão de anistia onde permaneço até o final do ano que vem. Terminado o Governo Bolsonaro, aí sim passo a pensar no destino que darei na minha vida profissional. Mas termino minha carreira muito feliz de ter chegado ao cargo máximo da corporação”, finaliza.