Política
Divulgação

 

Se um dos principais papeis de um prefeito é buscar recursos onde for possível, José Thomé tem cumprido sua missão com excelência. Na sexta-feira (7) ele entregou ao governador Carlos Moisés da Silva projetos para Rio do Sul que somam quase R$ 30 milhões e está confiante na liberação de verbas para a capital do Alto Vale.

“A agenda com o governador foi bastante positiva, fruto de um convite do deputado federal Fábio Schiochet, que é presidente estadual do PSL, e do Governo do Estado. Entendemos que o Alto Vale precisa do olhar do Governo do Estado pois temos ações muito prioritárias, muito importantes para ocorrer na cidade”, comenta.

 

Ele diz que na pauta um dos principais pedidos do encontro foram as obras para a mitigação de cheias que são fundamentais para o desenvolvimento de toda a região.

“São as obras mais importantes do Alto Vale do Itajaí, principalmente para a cidade de Rio do Sul. Tive a oportunidade de relatar ao governador que as obras do canal extravasor custariam cerca de R$ 300 milhões e contemplam a retirada de nove maciços do rio, a construção do canal no Salto Pilão e a exploração do setor privado para a geração de energia, porém esse investimento não chega perto do prejuízo que as enchentes já deram para o Alto Vale do Itajaí que ultrapassa os R$ 620 milhões de 2011 para cá”, completa.

 

Thomé diz que relatou a situação olhando nos olhos do governador e que ele se mostrou sensível ao pedido.

“Ele se sensibilizou entendendo que o Alto Vale decresce por essa vulnerabilidade dos investimentos do setor privado em função de termos o problema com as enchentes. Apesar do movimento econômico de Rio do Sul ter crescido, na região como um todo ele decresce e o governador percebeu que há essa necessidade de investimentos, e ficou de avaliar os nosso pleitos”, revela.

 

Ainda relacionado ao setor da Defesa Civil, outros temas discutidos foram o muro de contenção entre Rio do Sul e Lontras, que vai custar cerca de R$ 4,5 milhões e o da rua Rui Barbosa que vai custar aproximadamente R$ 2 milhões. O prefeito relata ainda que pediu mais celeridade na construção das três pequenas barragens que seriam erguidas em Petrolândia, Mirim Doce e Braço do Trombudo e que já tem os projetos concluídos e recursos disponíveis no Ministério da Integração Nacional, mas que ainda não foram iniciadas.

 

Na área de infraestrutura a BR-470 foi uma das pautas.

“Cobrei dele a questão de intermediar junto ao Governo Federal, tendo em vista essa proximidade dele com o presidente Bolsonaro, de termos estendida a obra de duplicação da BR-470, tendo seu estudo de viabilidade todo concluído para que a gente consiga lutar por recursos e termos aqui na região de Rio do Sul as obras de duplicação que são importantes para o nosso movimento econômico”, ressalta.

 

Outros pedidos foram a liberação de recursos para a implantação de uma ponte ligando o bairro Canoas ao bairro Budag, o binário da rua Imperatriz Leopoldina com a rua Dom Pedro II, a importância de uma ligação central de Rio do Sul asfaltada na Alameda Bela Aliança, o término da ligação de Rio do Sul a Presidente Getúlio, além da importância da construção do binário da Rua XV de novembro com a rua dos Caçadores.

 

Após os pedidos, Thomé acredita que o retorno da reunião deve ser positivo.

“O governador nos deu um panorama de como está o estado e destacou o pagamento de cerca de R$ 1,1 bilhão de dívida da Saúde no decorrer do ano passado, dívidas que herdou quando assumiu o Governo e disse que agora tem esses recursos para investir essa mesma monta em 2020 em infraestrutura”, finaliza.

 

Helena Marquardt