Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Alguns municípios do Alto Vale já foram alvo de várias ações criminosas e foi pensando nesses acontecimentos que marcaram a vida dos moradores que a Polícia Militar de Santa Catarina resolveu promover o curso “Ações de Combate aos Crimes Violentos Contra o Patrimônio” na região do 13º Batalhão da Polícia Militar, em Rio do Sul e que terminará na sexta-feira (2) com a simulação de ação criminosa a uma instituição financeira no município de Trombudo Central.

Com o número de vagas limitado por conta da pandemia apenas 51 policiais puderam participar. O coronel do 13º BPM, Anderson Melo Maia, explica que esse é um curso muito importante para os profissionais e relembra ocorrências no Alto Vale. “O curso visa padronização de ações de enfrentamento e combate a esses crimes, a exemplo de instituições financeiras. Alguns meses atrás tivemos um assalto a uma agência bancária em Aurora, no qual conseguimos mobilizar de uma forma rápida o efetivo para trabalhar nesse sentido. Essas disciplinas favorecem a vivência com operações externas e instruções sobre como proceder em situações como estas”, esclarece o coronel.

“É um ótimo curso, uma visão estratégica do nosso comandante-geral Dionei Tonet em trazer essa edição do curso para o Alto Vale e passar esse conhecimento para os policiais daqui. Ele envolve toda a estrutura da Polícia Militar, inclusive o Batalhão de Operações Policiais Especiais, o Bope, e é muito interessante”, acrescenta.

O curso, que começou no início da semana, proporcionou diversas ações de inteligência operacional e será finalizado com uma grande simulação de ação criminosa a uma instituição financeira no município de Trombudo Central. Segundo o coronel, apesar de todas as instruções em sala estarem acontecendo na Obra Kolping de Rio do Sul, a cidade oferece melhores condições para realização da simulação. A orientação é que as pessoas não fiquem preocupadas, pois ela vai parecer, mas não não será.

“Para que a população fique calma, é importante frisar que teremos um simulado nesse último dia de curso que vai se aproximar ao máximo da realidade de uma ação na qual os policiais participantes estarão atuando contra uma suposta ação criminosa. A gente alerta a população para que fique calma porque é o encerramento de um curso, que será feito em Trombudo Central e ali vamos praticar todas as ações que retratam uma ação criminosa contra uma instituição financeira”, ressalta.

Maia ainda destaca que o curso contou com dinâmicas e que teve a participação do Batalhão de Aviação mostrando todo processo de deslocamento de efetivo. “Esse curso tem disciplinas de ações de inteligência, disciplinas de ações operacionais, externas, tivemos outra dinâmica com a presença do Batalhão de Aviação, com helicóptero, onde o nosso efetivo vê desde a hora do acionamento da aeronave, o embarque do efetivo para deslocamento e captura dos agentes. Vamos ter também instruções que envolvem vários procedimentos, ações, histórico de roubos a bancos. Uma troca de informações importantes para os nossos policiais militares”, avalia.

A procura pelo curso superou as expectativas, no entanto, em virtude da pandemia o número precisou ser reduzido, mas ele garante que a capacitação conseguiu abranger até mesmo profissionais de outros estados. “Por ser um curso muito esperado e pelo fato de o crime não ter fronteiras, temos policiais de outros estados fazendo o curso, temos do Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Polícia Rodoviária Federal, IGP, Polícia Civil, então são vários profissionais, de vários órgãos, com o mesmo propósito: atuar, enfrentar esse tipo de ação criminosa”, finaliza Maia.