Cidade
Foto: Arquivo/DAV

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Após vários acidentes no túnel do bairro Fundo Canoas, em Rio do Sul, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) anunciou que dará início a recuperação do local. As obras devem iniciar na próxima semana sem previsão para conclusão.

O local é um motivo de preocupação para os moradores há muitos anos em razão da ocorrência de acidentes e duas pessoas já foram a óbito, atingidas por um veículo que despencou da BR-470.

O Jornal Diário do Alto Vale entrou em contato com a assessoria de comunicação do Dnit, que informou que as placas metálicas que serão utilizadas na obra do local já estão em Rio do Sul e que a previsão é que os trabalhos iniciem na próxima semana. “O serviço é uma restauração funcional , com fresagem e recomposição da capa de rolamento e sinalização horizontal”, disse.

Além disso, as placas metálicas da passagem inferior serão substituídas, também será recomposta a parte do concreto, os guardrails serão substituídos por barreiras de segurança do tipo New Jerseys, de concreto.

Outro problema muito comum no local é a passagem de veículos muito altos que acabam danificando a estrutura. Para solucionar este problema será colocado um controlador de altura. Será um tipo de aparelho que ficará antes da entrada da passagem para que o motorista bata no controlador e não no concreto, caso esteja acima da altura permitida.

Em entrevista ao Jornal Diário do Alto Vale, no ano passado, Jeferson Vieira, morador das proximidades do túnel, lembrou que além dos perigos que o local oferece, desde a construção da estrutura nunca teria sido avaliado o crescimento da cidade, visto que é um dos pontos de acessos a Rio do Sul.

“O túnel está obsoleto. Não é em função dos acidentes e a paralisação do trânsito que precisamos de melhorias. É preciso ampliar e melhorar os acessos, então a comunidade aqui fica apreensiva em diversos momentos. Na minha opinião, precisa de uma reformulação, não só melhorias para reduzir a velocidade ou dificultar ainda mais a logística de transporte. O que existe sim é uma necessidade de planejamento que precisa ser a médio e longo prazo, não podemos depender unicamente do túnel que em épocas de cheias, por exemplo, tem o acesso prejudicado ”, opina.