Alto Vale
Foto:Divulgação - No livro a escritora Lisette Jacobsen Hosang conta a trajetória da entidade no município de Taió

A história dos 85 anos da Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas (OASE) de Taió, está sendo contada em livro. A escritora, Lisette Jacobsen Hosang, integrante da OASE e uma das fundadoras da Academia de Letras da cidade, conta a trajetória da entidade no município.

Com 300 páginas, e capa de Robson Keiner, a obra literária foi organizada pela autora com tradução de documentos originais em alemão e a digitação foi de seu neto, Leonan Edward Hosang Lueckmann. Ela escolheu fazer o lançamento para um grupo selecionado apenas de integrantes da OASE e da Paróquia Evangélica, sem formalidades para os confrades da academia de letras.

A base de consulta principal foi o livro atas, que desde a fundação do Ewangelischer Frauenverein, registra todos os fatos desta instituição que hoje se chama Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE).

A entidade iniciou suas atividades em Taió no dia 8 de dezembro de 1929, com os livros atas escritos em alemão até 1985. Lisette contou que havia iniciado o livro e feito a transcrição dos documentos até o ano de 1980, e que aguardava uma oportunidade de publicar o livro há mais de 20 anos. Ela disse ainda que foi uma grande satisfação poder lançar este livro, no ano das atividades do Centenário de Colonização do município de Taió, que foi em 2017.

“Em 2015 entrei para a Academia de Letras e fui incentivada pela família, pela madrinha, Miriam Purnhagen, então decidi terminar o livro, que levou mais quatro anos”. A escritora também disse que outro incentivo foi a participação na OASE e a homenagem a avó, Lisette Jacobsen, também integrante da entidade e que empresta o nome ao hospital da cidade.

A construção do Hospital e Maternidade Dona Lisette, está ligada diretamente a OASE, o terreno e o fundamento do hospital foi bancado pela entidade. “A ideia era construir uma sede para a OASE, no exato local do hospital, mas as senhoras, na época, resolveram doar o terreno para a construção do hospital. Além de pagarem o fundamento”. A escritora conta no livro que 75% da ajuda para a construção do hospital veio da Alemanha.

Entre as principais atividades das senhoras estão as visitas periódicas semanais aos pacientes do hospital e apoio às famílias da comunidade que possuem dificuldades. Além disso, realiza atividades em prol da igreja e demais grupos, como a Judef que também utilizam a sede da entidade.

“Os 85 anos da OASE de Taió, denominado grupo Elizabeth, deixou como lembrança o quadro bordado por mim, da Santa Ceia, que me faz lembrar de uma grande família, de senhoras da OASE ao redor de uma grande mesa, tendo ao centro Jesus Cristo. Para ouvirem a mensagem cristã a cada semana, foi um imenso prazer para mim, escrever esta história. Pesquisei bastante, porque acho que é uma história digna de ser contada e divulgada”, finalizou a escritora.

Alexandre Salvador