Alto Vale
Foto: Marcelo Zemke - A manutenção de 10 leitos como esse pode custar até R$ 1 milhão por mês

Na segunda-feira, dia 20 de novembro, o Hospital Doutor Waldomiro Colautti (HDWC), de Ibirama, inicia uma nova fase na prestação dos serviços de saúde à população do Alto Vale. A data será marcada pela abertura da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), um anseio de toda a região e também de toda a direção do hospital, que comemora o feito.

De acordo com o diretor do HDWC, Roberto Ferrari, a abertura oficial da UTI significa um grande avanço. Ele destaca que o processo passou por um longo período para que pudesse se tornar viável e disponível. “Vivemos o primeiro momento em 2010 com a inauguração da área física. Em fevereiro de 2016 tivemos um momento decisivo, quando a Secretaria de Estado da Saúde tomou a decisão de tocar adiante o projeto. Desde então, trabalhamos fortemente para que chegássemos a esse momento”.

A expectativa da administração, se comparados com outros modelos, é de que o Estado invista cerca de R$ 1 milhão por mês para a manutenção dos serviços. Uma equipe multidisciplinar com cerca de 60 pessoas deve compor as escalas de trabalho.

Enquanto o Estado garante o aporte de recursos para a abertura da UTI, a direção do hospital busca efetivar o credenciamento do serviço junto ao Ministério da Saúde. Ferrari explica que a unidade já recebeu a visita de profissionais técnicos encaminhados pelo Governo Federal para auditoria. “Quando houve essa visita foram observados alguns critérios que poderíamos atender somente com a unidade em funcionamento, por isso a importância desses recursos oriundos do Estado”, explica.

Entre os critérios, a exigência do início dos trabalhos e a contratação de profissionais. “Não temos como efetivar o credenciamento sem estar trabalhando, e também não contrataríamos profissionais se não tivéssemos essa possibilidade de funcionamento”, argumenta.

Questionado sobre o prazo para finalização do credenciamento, o diretor do hospital explica que após aberta a UTI, três meses serão suficientes para conclusão do processo. “Minha expectativa é que em janeiro do ano que vem possamos chamar novamente essa auditoria e o credenciamento seja estabelecido no transcurso do ano de 2018”, comemora Ferrari.

Foram meses de trabalho, licitações para compras de equipamentos e processos seletivos para contratação e treinamento de profissionais. Em julho, todas as questões burocráticas foram finalizadas. Desde então, a Secretaria do Estado da Saúde (SES) buscou se adequar financeiramente para colocar a UTI em pleno funcionamento. “Os 10 leitos de UTI são também um reforço para a macro região do Vale do Itajaí. Eles representam ainda progressos internos, com as equipes contratadas na área médica e enfermagem, teremos uma melhoria na qualidade técnica dos serviços, beneficiando as pessoas que buscam soluções para o seu problema de saúde no HDWC”, enfatiza o diretor.

Após anos de entraves burocráticos e financeiros, a UTI está pronta para entrar em operação. O resultado positivo é o esforço de muitas mãos, que sempre acreditaram no projeto. “Nossa equipe interna sempre lutou por isso, abraçando a causa. Tivemos o apoio da Superintendência dos Hospitais (SUH) e de vários setores da SES e, no final do processo, da Agência de Desenvolvimento Regional, auxiliando nas licitações. Foram passos importantes até darmos por encerrado os procedimentos e só temos a agradecer os envolvidos”.

Ferrari destaca ainda que com a abertura, o hospital passa a ter, além dos serviços já prestados, 10 leitos de UTI, o que aumenta a responsabilidade de forma global. “Teremos uma alteração em toda a rotina do hospital. Estamos cientes da responsabilidade que temos com as pessoas que aqui chegam, com os servidores que estarão prestando serviços e com toda a nossa região de forma geral, que agora respira aliviada por saber que pode contar com novos recursos e saúde de mais qualidade”, finaliza o diretor.

Rafael Beling