Alto Vale
Foto: Arquivo/DAV

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Após hackers terem desviado quase R$2 milhões da prefeitura de Imbuia, no Alto Vale, em março deste ano, as investigações foram encerradas pelo Banco do Brasil. Até o momento não foram divulgadas maiores informações sobre quem teria praticado o crime, mas o município esclareceu em nota que os valores foram devidamente restituídos pelo banco às contas públicas.

O ataque de hackers teria ocorrido no dia 23 de março, uma terça-feira e o desvio só teria sido percebido algum tempo depois. As transferências, de acordo com o que foi explicado na época, teriam sido realizadas de 10 contas diferentes, usando o PIX.

Na oportunidade, o tesoureiro da prefeitura, Odacir Lourival Capistrano disse em entrevista ao Jornal Diário do Alto Vale que a suspeita era de que um computador da prefeitura havia sido invadido e que na hora, não perceberam o que estava acontecendo.  Ele conta que a máquina travou e que um técnico foi chamado para consertar.

“Estávamos trabalhando com o computador aberto e de repente o computador travou, ficou uma tela azul e eu chamei o nosso técnico de informática, ele tentou arrumar e estava tudo travado, não tinha como trabalhar na máquina. O técnico trabalhou até meio dia, à tarde ele tentou novamente e aí passou, mas não conseguíamos entrar no sistema do banco porque como foi feita uma manutenção precisa cadastrar o computador de novo no sistema e só no dia seguinte conseguimos cadastrar. Quando o banco liberou o acesso, a gente viu que tinha PIX com valores muito altos, de 10 contas bancárias e só fizeram PIX. Tanto que nós não estávamos trabalhando com PIX porque é um giro muito rápido, a gente só trabalhava com TED e DOC”, explicou.

Odacir esclareceu ainda naquela ocasião, que a segurança do banco questionou os valores e foi aí que perceberam de fato o ataque. “O pessoal da segurança de Florianópolis ligou questionando, dizendo que tinha um valor de mais de R$200 mil, perguntando se a gente confirmava. Eu imediatamente disse que não e aí começou a aparecer, a gente foi pegando os extratos no banco, de todas as contas e pegaram um valor de aproximadamente R$ 2 milhões. Como as contas estavam com mais dinheiro, perto de pagamento, uma das contas tinha quase R$1 milhão. Normalmente nós temos limites baixos e eles conseguiram mexer no geral rapidamente, devem ter feito tudo em menos de uma hora”, acrescentou.