Alto Vale

Vereadores dos 28 municípios da região se reuniram no sábado (24) para a assembleia mensal da União de Câmaras e Vereadores do Alto Vale do Itajaí (Ucavi). O encontro foi organizado na Sociedade Esportiva e Recreativa, em Trombudo Central e contou com a palestra do jornalista e comentarista do SBT Santa Catarina, Luiz Carlos Prates, que também é colunista do Jornal Diário do Alto Vale.

Os vereadores foram recepcionados pelo presidente do Legislativo de Trombudo Central, Edson Luiz Morais, o Patrola, que enalteceu a importância dos encontros que são realizados todos os meses, para reforçar o trabalho e os resultados nas câmaras municipais. “Sempre tem muita gente. Aqui os vereadores se reúnem, apresentam as moções que são levadas aos deputados com mais força, são aprovadas todas aqui, esse é o trabalho da Ucavi junto às câmaras de vereadores”, disse.

A prefeita de Trombudo Central, Geovana Gessner, também recepcionou os vereadores e representou a Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi), entidade a qual ocupa o cargo de vice-presidente. Ela comentou a união necessária entre os poderes Executivo e Legislativo, nos municípios. “A diretoria, através do presidente Betão, decidiu que em toda a reunião da Ucavi vai ter alguém representando a Amavi, nas nossas reuniões a gente leva o que passou aqui, 5 minutos da reunião da Amavi é para falar o que foi explanado, o que foi trazido pelos vereadores”, falou Geovana.

Como ocorre em todas as assembleias os vereadores acompanham palestras sobre temas voltados a política, ou questões técnicas voltadas ao exercício do mandato. Desta vez o tema proposto foi motivacional. O presidente da Ucavi, Elcio Bonacolsi comentou que o momento atual da política tem desmotivado muitas pessoas, inclusive os próprios vereadores. “A crise política está desanimando muita gente de frequentar, de estar na política, então temos muitos vereadores em primeiro mandato e acabam desgostando da situação e a gente procura trazer uma pessoa como o Prates, para dar uma palestra motivacional”, comentou.

O presidente comentou ainda que momentos de crise não é uma exclusividade da política nacional, ele observou que dificuldades semelhantes são presenciadas e percebidas em várias situações do cotidiano das pessoas e que é preciso encarar como uma fase passageira. “Você enfrenta dificuldades no casamento, nos negócios, e na política não é diferente, na Câmara de Vereadores, na própria Administração Municipal também atravessam essas situações adversas, constrangimento, muitas vezes até descontentamento, as vezes vergonha, então a gente sabe que isso passa e daqui a pouco tudo volta ao normal”, declarou.

Muito aguardado na palestra, Luiz Carlos Prates chegou cedo e acompanhou a aprovação das moções apresentadas pelos vereadores. O jornalista começou a palestra fazendo um elogio de reconhecimento aos vereadores. “A meu juízo o vereador é mais importante que o presidente da República.

O vereador é o sujeito que legisla em nosso nome na cidade onde moramos. A cidade onde moramos é a cidade mais importante do mapa do Brasil, então se este camarada a quem eu dei o meu voto, delegando poderes para me representar, se ele o fizer com qualidade estaremos todos bem servidos”, afirmou.

Diante do cenário atual da política brasileira, Prates disse que os políticos que estão na base, nos municípios, não podem seguir o exemplo dos que estão no topo do poder. “O representante político, o camarada que nos representa precisa ter essa consciência de que ele precisa fazer o seu melhor, ainda que erre, mas que o erro seja o resultado de tentar fazer o melhor, não é o que está acontecendo na grande maioria, na grande média dos representantes do povo brasileiro”

Sobre as eleições 2018, falou que o país está carente de representantes com passado limpo e conduta ilibada que possam representar o povo brasileiro no comando do país “Um único e miserável nome na história do Brasil de hoje, um único, não temos. Os verdadeiramente capazes não querem, estão administrando suas empresas, tocando seus negócios, não querem se incomodar”, concluiu.

Albanir Júnior