Política
Foto: CRS/DAV

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O advogado rio-sulense, Marcos Sávio Zanella, anunciou nesta quinta-feira (28) em entrevista exclusiva ao DAV que é pré-candidato a deputado estadual pelo Partido Novo. Segundo ele seu nome foi escolhido em um processo seletivo. Na Assembleia, ele diz que a intenção é levar uma política transformadora embasada na economia do dinheiro público.

Ele comenta que recebeu o convite do Novo já em 2019, mas na época, como exercia o cargo de vereador, não trocou de partido e a mudança oficial aconteceu em janeiro deste ano. “O partido Novo tem valores que entendo que são necessários para a política e que se aproximam muito do que eu defendia no movimento Vereador Voluntário”, comenta.

Zanella diz que o movimento era desacreditado no início porque é uma verdadeira transformação de cultura e de valores. “Os legislativos municipais, estaduais e até o próprio Congresso Nacional legislam demais, temos leis demais. No Brasil temos lei para tudo, quer se resolver o problema na base da canetada, mas não precisamos de mais leis e sim de valores na política e na sociedade”.

Ele afirma que como deputado iria propor alterações na constituição do Estado de Santa Catarina para que a possibilidade do Vereador Voluntário seja estendida também a outros municípios. “Defendemos uma prática de transformação na política catarinense e até para a política nacional, então foi com essa motivação que eu aceitei o convite”.

Para sua pré-candidatura, ele revela que participou de um processo seletivo do partido e teve que participar de quatro meses de formação com matérias de ordem pública e outros temas que servem para preparar o candidato. “Também fiz uma prova e uma entrevista com uma comissão de outro estado que é a forma mais isenta que o partido entende para avaliar candidatos de outros estados e fui aprovado no processo seletivo. Claro que ainda temos que esperar a convenção do ano que vem, mas tudo indica que meu nome será aprovado”, esclarece.

O advogado diz ainda que o Novo é o único partido que não utiliza dinheiro público e defende em seu próprio estatuto que mandatário pode ser reeleito uma única vez para o mesmo cargo. “Ele defende essa transformação para reduzir o tamanho e o custo do Estado, porque sai tudo do nosso bolso. A ideia de defender uma prática política cujos valores sejam centrados na economia do dinheiro público é para que a gente possa reverter esse dinheiro nas nossas necessidades”, ressalta.

Ele finaliza dizendo que sua forma de atuar na política traz embutida no seu conceito uma série de sugestões de mudança. “Não sou nem um pouco utópico. Posso até ser ingênuo em defender algumas práticas com a pretensão de ser transformador, mas temos que dar o primeiro passo. Temos que falar disso o tempo todo e quando abriu-se essa possibilidade de disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa com esse discurso e essas práticas achei razoável aceitar o convite e a oportunidade”, conclui.